Natal Natal meu: Existe alguma árvore mais bonita do que eu?

As opiniões dividem-se sobre qual a melhor Árvore de Natal para a nossa casa: se a natural ou a artificial… É que ambas têm vantagens e desvantagens; e se todos quisermos contribuir para um Planeta mais sustentável, o tema merece alguma reflexão.

Recuando algumas décadas, muitas famílias preferiam que o Menino Jesus viesse de mansinho pela calada da noite, deixar as prendas na chaminé…

Essas chaminés do passado, bem limpas e forradas de papel festivo, tinham a magia de sabermos que o “Menino” deixara as prendas nessa madrugada, ou mesmo, numa versão mais anglo-saxónica, que fora o Pai Natal que, voando com as suas renas, as tinha enviado chaminé abaixo…

Nessa altura os pinheirinhos viviam mais tranquilos e sem dúvida mais felizes. Eles não precisavam preocupar-se com a época das Festas, ao contrário do que viria a acontecer mais tarde, com o advento da Árvore de Natal que faz com que todos os anos sejam ceifados aos milhares…

Esta tradição terá tido origem na Alemanha, entre os séculos XVI e XVIII, mas só no século XIX foi levada para outros países europeus.
Em Portugal desde há muito faz parte dos nossos hábitos, e em boa verdade com algumas vantagens sobre as chaminés…A Árvore reune a família na sala, cria expetativas sobre os embrulhos que vão aparecendo ao seu redor e tem a vantagem de sossegar a criançada na véspera de Natal, acabando com as incursões madrugadoras à cozinha no dia 25, sinal certo de que a partir daí ninguém mais dormia…

Sob a luz das estrelas, na floresta… 

Muito decorativa, a Árvore tem vindo a ser revestida de forma cada vez mais original, tornando-se às vezes tão sofisticada que perde significado, pela ausência dos símbolos que identificam a magia da quadra…Vários têm sido os seus enfeites ao longo dos séculos, mas consta que os pinheiros só foram iluminados a partir do ano de 1530, quando o criador da reforma protestante, Martinho Lutero, caminhando por uma floresta ficou encantado pela visão de pinheiros cobertos de neve e banhados pela luz das estrelas… De tal forma que logo quis reproduzir, em casa, a imagem que guardara, e usou velas para simbolizar o brilho daquilo que vira…

Hoje, quando a consciência ecológica está cada vez mais na ordem do dia, muitos têm optado pelos pinheiros artificiais, acreditando assim contribuir para a proteção da Natureza. Será?

ÁRVORE DE NATAL VERDADEIRA 

Um Natal ecológico pressupõe que se prefira uma árvore de Natal verdadeira, em detrimento das artificiais, consideradas não amigas do ambiente por serem maioritariamente compostas por plástico, ou seja, não biodegradáveis.

Assim, quem quiser optar por uma árvore de Natal verdadeira, vê como vantagens, o facto de poder decompor-se / renovar-se na Natureza; estar disponível em vários tamanhos; ter o aroma agradável do pinheiro; absorver o dióxido de carbono e outros gases nocivos, libertando oxigénio fresco para o ar…-  e, ainda, a sua escolha poder tornar-se uma tradição familiar.

MAS…
(algumas desvantagens):

A maior, sem dúvida, é que contribui para o abate dos pinheiros!
Mas para além deste contra, alguns “pormenores” não são de desdenhar…
Quem durante anos preferiu uma árvore natural sabe bem que às vezes não é fácil o percurso desde o local da compra até a ter bem equilibrada e segura, em casa! 🙂
É a escolha, tendo em conta o espaço onde vai ser colocada; o transporte para casa, a compra da terra, do vaso, o corte dos ramos “indisciplinados”, o cuidado com as luzes (pelo risco de incêndio) e o não esquecer regá-la na medida certa para que não apodreça, nem seque… – senão os ramos começam a desfazer-se, caem e sujam o chão à volta da árvore, etc, etc…

E quando todos estes “pormenores” são ultrapassadas e nos extasiamos com a nossa linda árvore natural, em breve chegará o dia de termos de nos desfazer dela, com muita pena e igual carga de trabalhos…
Acrescente-se que em pessoas mais sensíveis pode provocar alergias e, de uma forma geral, fica muito mais cara pois todos os anos há que comprar uma nova. A não ser, claro, para quem possa plantá-la no jardim lá de casa!

ÁRVORE DE NATAL ARTIFICIAL

Cada vez mais parecidas com os pinheiros naturais, estas árvores são uma opção a considerar, mais ainda se forem visualmente atraentes, fazendo esquecer a sua “origem” de plástico…

Disponíveis em vários tamanhos e cores, são relativamente fáceis de montar e desmontar, não ocupam muito espaço, e em muitos modelos são já anti-inflamáveis.
Também se tornam mais baratas porque, sobretudo quando se faz uma boa compra, duram muitos anos…

EM MADEIRA OU CARTÃO? Não…
Para os indecisos, várias marcas já colocam no mercado novas soluções, designadamente em madeira, cartão reciclado ou tecido, desmontáveis e que se guardam de ano para ano. Tudo para manter uma tradição que, convenhamos, nos é mais familiar em forma de uma árvore verde com muitas cores, luzes, Pais Natal e estrelas penduradas…

Se for um Pinheiro Natural…
COMO O RECICLAR?

Quando o pinheiro natural é uma opção escolhida com tanto carinho que seja uma pena deitá-lo fora, pode reciclar-se de uma forma amiga do Ambiente…

Plantar de novo – O melhor é devolvê-lo à Natureza, se tiver um jardim. E se o pinheiro for bem plantado e tratado ao longo do ano será uma alegria renovada poder levá-lo de novo para casa no próximo Natal…
Composto para o jardim – Também se tiver um jardim pode reduzir o pinheiro a pedaços para utilizar como composto, protegendo e nutrindo plantas, arbustos e árvores. Ramos de pinheiro maiores podem ser colocados diretamente sobre as próprias plantas de exterior, protegendo-as do frio.
Decoração floral. – Os ramos do pinheiro podem ser aproveitados para embelezar a casa durante mais algumas semanas… Por exemplo, através de arranjos florais ou centros de mesa, juntamente com outros elementos naturais, como pinhas, folhas e flores.

Aroma de Pinheiro… – Utilize as agulhas do pinheiro de Natal para criar potpourri. Quando os ramos estiverem bem secos retire as agulhas e, misturando-as com paus de canela, flores e frutos secos e mesmo algumas especiarias terá um potpourri para perfumar a casa nos meses de Inverno…
Cabide natural – Os mais talentosos em artes manuais podem aproveitar alguns ramos para fazer cabides naturais ou elementos decorativos para a casa, pintando-os ou envernizando-os… A imaginação é o limite!