Tipos de doenças causadas por bactérias e vírus

Tipos de doenças causadas por bactérias e vírus

Entre estes tipos de doenças as diferenças são várias, bem como os graus de gravidade, o que implica que se tomem alguns cuidados no dia a dia para as evitar.

Não é porque não os vemos que eles não estão entre nós…  Falamos dos vírus e bactérias, microrganismos (portanto invisíveis a olho nu), que estão presentes no ar que respiramos, na comida que comemos, na água que bebemos e até mesmo dentro de nós.

Bactérias: do bom ao pio

Bactérias são microrganismos, que geralmente são compostos por apenas uma célula, sendo muito diversas e variando de local onde vivem, metabolismo, tamanho e formas, sendo estas a cilíndrica (bacilos), esférica (cocos), ou espiralada.

Regra geral vivem em aglomerados e são muito numerosas. Podem ser resistentes a ambientes considerados inóspitos para os humanos, como locais com temperaturas extremas, quantidade de oxigénio e níveis de pH muito baixos ou elevados, etc. Sendo assim, estão presentes na maioria dos ambientes da Terra – solo, ar, vulcões, fontes termais, água, etc.

As bactérias desempenham um papel ecológico muito importante, como por exemplo reciclando a matéria orgânica e devolvendo nutrientes aos ambientes, compondo teias alimentares e estando relacionadas com funções essenciais à sobrevivência de vários seres vivos.  

Elas também trazem benefícios, sendo importantes em diversas funções metabólicas no nosso organismo, bem como em várias produções industriais. Mas, apesar disso, algumas bactérias podem causar doenças em plantas, animais e humanos.

Vírus, os perigosos parasitas…

Os vírus são constituídos por material genético (DNA ou RNA) e proteínas, sendo algumas delas responsáveis por formar uma cápsula protetora para esse material genético. Nalguns casos, os vírus também apresentam um envelope fosfolipídico (gordura), que envolve toda a sua estrutura.

Eles são considerados parasitas obrigatórios de células, pois para se reproduzirem, produzirem proteínas e até energia necessitam de uma célula hospedeira. Por isso há um debate sobre se os vírus, que são agentes infecciosos, são ou não organismos vivos.

Os vírus não apenas necessitam de um hospedeiro mas, de forma geral infetam hospedeiros específicos (um ou poucos tipos), e em alguns casos em tipos específicos de tecidos ou células desse hospedeiro.

E, da mesma forma que as bactérias, nem todos os vírus causam doenças, podendo inclusive ser benéficos aos organismos que infetam, eliminando outros microrganismos potencialmente mais perigosos.

Doenças bacterianas e virais

Ao longo dos anos tem existido uma melhoria das medidas de higiene, além da criação de vacinas e medicamentos (antibióticos, antivirais e outros), que resultaram numa diminuição das mortes causadas por doenças relacionadas com bactérias e vírus. Contudo é importante saber que o uso indiscriminado e/ou errado de antibióticos, sem as devidas recomendações médicas, resulta numa seleção de bactérias resistentes a antibióticos, o que pode interferir ou dificultar o tratamento de doenças bacterianas.

As bactérias causam doenças, provocando uma reação/inflamação ao invadirem e se reproduzirem no organismo, ou através das suas toxinas, sejam elas libertadas voluntariamente (secreção/excreção) ou na sequência da sua morte/destruição.

Entre as doenças bacterianas estão o botulismo, febre tifóide, tuberculose, cólera, meningite bacteriana, tétano, difteria, coqueluche, faringite estreptocócica, doença de Lyme, gonorreia, hanseníase, sífilis, e algumas pneumonias.

As doenças causadas por vírus podem ser de curto prazo (agudas) ou longo prazo (crónicas). Falamos de:

  • Infeções respiratórias (COVID-19, constipações e gripes, entre outras);
  • Infeções intestinais (enterite);
  • Doenças transmitidas por insetos (encefalite, febre amarela, dengue, zika, chikungunya e febre hemorrágica);
  • Doenças transmitidas pela relação sexual ou pelo sangue (hepatites B e C, AIDS e HPV – Papilomavírus Humano).
  • E outras como papeira, sarampo, varicela, herpes e hepatite A.

A importância da higienização com Água e Sabão

Causador da pandemia de Covid-19, o SARS-COV-2 é um vírus que apresenta um envelope fosfolipídico (de gorduras) contendo proteínas que o fazem parecer uma coroa (daí o nome de coronavírus).

O ato de lavar as mãos com água e sabão ou de as higienizar com álcool 70%, faz com que esse envelope gorduroso seja removido e o vírus seja inativado. Além disso, o processo de lavagem das mãos também atua como uma remoção mecânica do vírus. Por isso é tão importante lavá-las corretamente e envolvendo todas as suas partes, para que não sobre nenhum vírus ativo.

Entretanto, a prevenção com álcool 70% ou água e sabão também se aplica a outros vírus e bactérias, não só porque estes também estão sujeitos a remoção mecânica (física) da pele, mas também porque quando se trata de alguns tipos de vírus e bactérias com membrana lipídica (gordura), o efeito será semelhante ao que acontece com o SAR-COV-2.

Semelhanças e diferenças entre bactérias e vírus

Algumas das semelhanças é que ambos, no geral, multiplicam-se rapidamente e em grandes quantidades, e as doenças que causam podem ser graves. Além de que muitas doenças virais e bacterianas, pelo menos nas suas fases iniciais, podem apresentar sintomas parecidos.

Do ponto de vista das diferenças, além do facto de que as bactérias não necessitam de uma célula hospedeira para sobreviver, temos o tratamento das doenças que causam. Como já mencionado, os antibióticos são eficazes no combate às doenças bacterianas, enquanto para o tratamento das doenças virais podem ser utilizados antivirais. Contudo, as doenças virais são mais difíceis de lidar e muitas não têm cura.

Entretanto, além da higiene e vacinas, que são uma importante prevenção tanto para vírus como para bactérias, confira outras medidas que podem prevenir as doenças causadas por ambos:

Tópicos para Prevenção:

  • Lave bem as mãos, pelo menos durante 20 segundos e contemplando todas as partes da mão e pulso;
  • Higienize e trate adequadamente qualquer corte ou arranhão;
  • Mantenha uma etiqueta respiratória ao tossir e espirrar;
  • Não compartilhe itens de uso pessoal (talheres, copos, pratos, roupas de cama e banho, etc.);
  • No relacionamento sexual, utilize preservativo;
  • Ao manusear alimentos crus (como carnes), mantenha-os separados de alimentos cozidos. Limpe os utensílios após o contacto com alimentos crus e lave as mãos. E descongele os alimentos ainda no frigorífico, ou então no micro-ondas;
  • Lave bem todas as frutas e vegetais antes de os cozinhar ou comer;
  • Se desconfiar da procedência da água, consuma-a apenas engarrafada (bem como outras bebidas) ou fervida, e evite gelo, pois o congelamento não mata todos os microrganismos;
  • Evite áreas externas que possam ter mosquitos e recorra a repelentes de insetos;
  • Mantenha-se, e aos seus animais de estimação, longe de outros animais, mesmo que aparentemente inofensivos, mas mais ainda se forem desconhecidos;
  • Mantenha os lixos e alimentos em recipientes fechados, bem como a sua casa limpa. Cuidado ao limpar áreas que possam ter roedores, pois a poeira levantada pode carregar doenças;
  • Mantenha em dia a vacinação, tanto de crianças e adultos, principalmente ao viajar. E vacine também os seus animais de estimação.

Por último lembre-se:

  • Com a aproximação do inverno, é preciso ter cuidado para que a imunidade não fique em baixa, facilitando o contrair de doenças.
  • Alguns comportamentos que também ajudam nessa prevenção passam por ter uma dieta saudável, manter uma boa hidratação (com água e sumos naturais) e evitar aglomerações e locais fechados e mal ventilados.
  • Dentro de casa devem arejar-se os espaços, mantendo-os o mais limpos possível.
  • Uma boa escolha é, também, utilizar um purificador de ar para ajudar na filtragem do ar, eliminando boa parte dos microrganismos presentes.
banner-airfree-pt