Crianças com crises respiratórias: Como ajudá-las

As crises respiratórias dos seus filhos tiram-lhe o sono? É natural que isso aconteça, pois nenhum pai ou mãe pode descansar enquanto as crianças sofrem com este tipo de alergias. Mas existem soluções… Tão naturais como o ar que respiramos.

Se os seus filhos sofrem de alergias respiratórias ou asma, sabe como isso é preocupante. E quanto custa vencer cada crise: acordar a meio da noite, depender de medicação e, claro, gastar horas sem fim a aspirar cada canto da casa. Mofo, ácaros, alérgenos de animais e pólen são os principais culpados, e combatê-los é imprescindível, pois quanto melhor é o ar ambiente em casa, maior é a possibilidade de o alérgico ter uma vida saudável, com menos medicação. Daí a importância de purificar este ar, como ajuda preciosa para aliviar sintomas… e preocupações.

Qual a origem das alergias respiratórias e da asma?
As alergias respiratórias, como a rinite, são doenças comuns. Resultam de uma predisposição genética que reage à presença de alérgenos no ar ambiente. Já a asma é uma doença inflamatória, também relacionada com a interação entre fatores genéticos e ambientais, que se manifesta como crises de falta de ar, redução ou até mesmo a obstrução no fluxo de ar.
Embora os fatores genéticos sejam responsáveis pela predisposição alérgica, são os fatores ambientais os grandes responsáveis pela sensibilização e resposta inflamatória – alérgenos como mofo, ácaros, pólen, pelo de animais, que se concentram especialmente no interior da casa.

Mesmo antes de nascer, o bebé pode desenvolver uma alergia.
O bebé pode tornar-se alérgico ao absorver substâncias através da placenta, como toxinas do cigarro e alguns tipos de aeroalérgenos. Quando o feto entra em contacto com estas substâncias pode ocorrer uma sensibilização intrauterina, levando inclusive a uma resposta alérgica inicial. Por isso é tão importante assegurar a boa qualidade do ar nos locais onde a grávida passa a maior parte do tempo.

Poeira, mofo e ácaros: os culpados vivem dentro de casa!
Passamos 90% dos nossos dias em ambientes fechados – 60% dentro de casa e 40% noquarto. É precisamente aí que o alérgico precisa de ter cuidado, e onde se concentram as diversas substâncias causadoras de alergias.
De facto, o ar dentro de casa está repleto de microrganismos nocivos à saúde, como o mofo, ácaros, vírus e bactérias, responsáveis por doenças e alergias respiratórias. Ao contrário do que pensamos, num ambiente fechado a contaminação do ar pode ser até 100 vezes superior à das ruas!
Sem esquecer que em cem por cento de tudo o que ingerimos por dia, 99,94% é ar. E se, diariamente, temos o cuidado de dar aos nossos filhos água pura e alimentos devidamente higienizados, por que não ter igual atenção com o ar que respiram?

DESDE O NASCIMENTO DAS CRIANÇAS…
Cuide do ar que se respira em sua casa!
Um estudo realizado em Inglaterra demonstrou que é possível reduzir sintomas em bebés predispostos a alergias ou asma, ao reduzir a quantidade de alérgenos no seu ambiente. Outro estudo, com crianças até 1 ano de idade, demonstrou que os episódios asmáticos estão diretamente relacionados com a exposição a alérgenos de ácaros: quanto maior a exposição, maior a probabilidade de desenvolver a doença e de as crises se iniciarem cedo!
O desconforto causado pelas alergias noturnas pode ser incómodo ao ponto de interromper o sono da criança. E o tempo dedicado ao sono não é somente importante para o descanso, mas também para o desenvolvimento cerebral. Além disso, é neste período que ocorre a libertação mais intensa das hormonas do crescimento.
O recurso a um purificador de ar é de extrema valia para destruir bactérias, vírus, mofo, pólen, odores orgânicos e outros microrganismos suspensos no ar.
A marca nacional Airfree tem no mercado vários modelos de aparelhos domésticos que representam a solução para eliminar naturalmente até 99,99% da contaminação microbiológica e destruir os microrganismos e alérgenos.

CUIDADOS A TER COM A CRIANÇA COM ASMA
E nunca é demais enumerar alguns cuidados que, no caso de crianças asmáticas, ou com essa predisposição, ajudam a controlar os sintomas, diminuindo a frequência das crises e o uso dos medicamentos:
– Retirar tapetes, cortinas e carpetes do quarto da criança;
– Manter a casa, mas principalmente o quarto da criança, livre de pó;
– Manter os peluches fora do quarto da criança;
– No inverno, deixar as janelas um pouco abertas para renovar o ar dentro de casa;
– Evitar cobertores que acumulem muito pó;
– Trocar toda a roupa de cama semanalmente;
– Evitar o uso de perfume na criança;
– Avaliar, com o médico de família a necessidade da vacina da gripe, antes do início do Inverno;
– Evitar que a criança tenha muito contato com animais de estimação, como gatos e cães;
– Colocar um aparelho purificador de ar no quarto da criança.

banner-airfree-ptPowered by Rock Convert