Conheça o fungo que adoeceu a Flórida nos Estados Unidos!

Recentemente, um artigo publicado nos EUA dava a exata dimensão do problema que o mofo pode representar para as populações, a nível da sua toxicidade, prejuízos para a saúde em um caso que aconteceu na Flórida

“FUNGOS ENTRE NÓS”…Ninguém diria que as microscópicas estruturas pudessem ser uma tão grande ameaça, que possa mesmo revelar-se mortal… Mas a matéria do “Palm Beach Post”, de Palm Beach, amparada por investigações, testemunhos, conclusões de estudos, não deixa lugar a dúvidas:
Os habitantes da Florida não parecem conseguir combater esse pequeno ser vivo: o mofo.

Nesta região mais ao Sul dos EUA, os moradores estão restritos aos pântanos transformados em metrópoles onde vivem, retendo a água através de canais e diques de retenção, e construindo ilhas, mostrando a vontade indomável da raça humana sobre a Natureza.
No entanto, por culpa do clima húmido, o fungo é um grande inimigo e as infestações de mofo são recorrentes, deslocando funcionários dos seus locais de trabalho, famílias das suas casas, causando doenças respiratórias e diz-se mesmo, até a morte.

O Dr. Harlan Bieley um clínico geral de North Palm Beach especialista nos cuidados aos pacientes que sofrem de efeitos do mofo, afirma que costuma tratar de famílias inteiras”… Explica: “ O que acontece é que o mofo produz esporos, que por sua vez libertam micotoxinas que bloqueiam ou enfraquecem os antioxidantes. Assim, quando estes diminuem há um aceleramento de qualquer tipo de doença como as doenças autoimunes, cancro, e outras.”
Este clínico ficou interessado em tratar pacientes que sofrem de exposição ao mofo, depois que uma sua amiga de Miami morreu de cancro do pulmão e o seu filho foi diagnosticado com Lupus. O apartamento acima do da sua amiga tinha sido infetado com mofo preto (Stachybotrys), possivelmente o mais mortal, e o Dr. Bieley considera não se tratar de coincidência: “Ela nunca fumou e os rapazes jovens geralmente não adquirem Lupus”, afirma.

Bombeiros em “edifícios doentes”…
Algumas estações de bombeiros foram fechadas devido a suspeita de infestação de mofo, o que levou as autoridades a manifestarem preocupação com o seu tempo de resposta a emergências.
Os bombeiros, sempre preocupados com problemas respiratórios devido à inalação de fumo, agora preocupam-se também por o seu local de trabalho os estar a deixar doentes. E de facto, pelos seus sintomas e resultado de exames médicos concluiu-se que alguns desses locais de trabalho são compatíveis com a denominação de “edifícios doentes.”

Mas a luta contra o mofo permanece mais reativa do que proactiva, já que não são realizados testes rotineiros na qualidade de ar nos prédios públicos…
“O mofo não está regulamentado e afeta as pessoas de forma diversa”, diz Tim O’Connor, o porta-voz do Departamento de Saúde de Palm Beach.
“Nós costumávamos fazer visitas de rotina para procurar mofo e outros problemas no ar, mas agora só é feita uma inspeção para mofo caso existam indícios de que possa existir”.

O mofo em tribunal: “Culpado”!
Entretanto, o mofo continua a contaminar os prédios estaduais e municipais em todo o sul da Florida e os tribunais parecem os mais suscetíveis a contaminações que afetam toda a comunidade jurídica.
Por incrível que pareça terríveis infestações têm levado ao encerramento de tribunais durante longos períodos, com gastos de milhões de dólares na mudança de locais e resolução de problemas que têm vindo a afetar vários municípios.

Designadamente no município de Martin, o Tribunal em Stuart foi fechado em 1992 durante quatro anos, tendo o jornal “Los Angeles Times” citado o caso na altura, apelidando o mofo de “Praga da Florida”.
Também o Tribunal Federal de West Palm Beach encerrou durante dois anos, devido ao mofo desenvolvido após os furacões de 2004-2005.

Mas o caso mais mediático foi quando, em 2008, o Tribunal David W. Dyer, em Miami, foi fechado e considerado culpado pela morte de um juiz federal, num processo que acabou depois por ser abandonado.

Como o mofo desaloja famílias…

Quando os pacientes procuram o Dr. Bieley, as suas casas, apartamentos ou locais de trabalho já foram diagnosticados como tendo sido infestados por mofo…“O que tem acontecido é que as pessoas ficam doentes nas suas casas, saem e passam a sentir-se melhor”, diz ele.

Testes para micotoxinas são então realizados, seguindo-se tratamentos para melhorar o sistema imunológico. No entanto, a prioridade é remover o paciente do ambiente com mofo, o que o especialista considera ser mais fácil de aconselhar do que realizar…
“As pessoas têm a sua vida nas suas residências, além de que mudar é caro, pois algumas famílias acabam por ter que pagar o financiamento da casa e o aluguer do local para onde vão, enquanto a sua casa é tratada.”

O advogado de Miami Ervin Gonzalez, que representa donos de casas onde o mofo tomou conta das suas residências, avança que “como regra estimada o custo da reparação vai custar um terço do valor da casa, se a infestação for grande, e que o problema é tão comum que muitas companhias de seguro do sul da Florida têm exclusões de cobertura de mofo ou limites nas comparticipações, que não cobrem os custos das reparações”.

***

Mas naturalmente não é só na Flórida que o mofo assume proporções assustadoras. Na verdade ele desenvolve-se onde quer que exista humidade, e em Portugal temos tido um inverno rigoroso, com chuva constante e graves problemas de inundações.

“Exposição excessiva a materiais contaminados por mofo podem causar efeitos de saúde adversos em pessoas suscetíveis, independentemente do tipo de mofo ou da extensão da contaminação”, declara, no seu relatório sobre os efeitos na saúde após furacões e enchentes, o CDC (Center of Diseases Control) – organismo norte-americano ligado à saúde pública.

Acrescente-se que estudos sobre o tema mostram que geralmente as infestações por mofo são devidas a falta de manutenção em vazamentos de janelas, telhados, canos e aparelhos de ar condicionado que não funcionam adequadamente.

QUEIXAS E SINTOMAS DA EXPOSIÇÃO AO MOFO…
É um facto que existe uma relação direta entre o mofo e as alergias respiratórias, sendo comum que as pessoas afetadas tenham queixas compatíveis com alergias, gargantas arranhadas, olhos lacrimejantes, enfim, como um resfriado que não se vai embora, quando na verdade estão a ser afetadas pelo mofo.

Principais sintomas:
Dores de cabeça constantes / Sangramento no nariz / Fadiga / Dificuldade em respirar ou asma / Bronquite / Tosse / Náuseas / Infeções crónicas da sinusite / espirros.

Tipos de mofo:
Nos ambientes internos há diversos tipos de mofos que podem levar a uma variedade de sintomas, incluindo problemas respiratórios.

Quando se fala de mofo, uma preocupação especial é o Stachybotrys, também conhecido como mofo preto. Esta é variedade geralmente associada à má qualidade do ar em prédios, com avarias causadas por água.

No entanto não precisa ser o Stachybotrys para emitir toxinas. De acordo com informações do Centro Nacional para Biotecnologia, de Madrid, as micotoxinas podem ser expelidas em grande volume por qualquer mofo e causar intoxicações e morte.

AIRFREE NO COMBATE AO MOFO
Através do seu Departamento de Biologia, a Airfree tem desenvolvido contínuas pesquisas nesta área e divulgado estudos e alertas a nível mundial sobre a enorme dimensão dos efeitos nocivos do mofo, para a saúde.
Através do sistema patenteado TSS – Airfree Sterilization System, qualquer modelo de purificador de ar da marca destrói o mofo e os seus esporos, bactérias, vírus, fungos e alérgenos do ar a altas temperaturas no interior dos aparelhos (sem aquecer o seu exterior ou o espaço onde estão), até que 99% desses microrganismos sejam destruídos.
Contra o mofo e esporos do mofo, Airfree é a solução. E a eficácia dos aparelhos desta marca nacional justifica o contínuo aumento das exportações da Airfree para os Estados Unidos.

Nota: Veja em breve, no nosso facebook, alguns conselhos para a remoção do mofo, antes que a primavera chegue com as habituais limpezas mais completas, da estação.

banner-airfree-ptPowered by Rock Convert