Fungos na pele: Um visível incómodo!
alamos dos fungos, esses seres vivos que estão no ar, no solo, nas plantas, em ambientes internos, superfícies e na pele.

Fungos na pele: Um visível incómodo!

É difícil encontrar um local totalmente livre deles… Falamos dos fungos, esses seres vivos que estão no ar, no solo, nas plantas, em ambientes internos, superfícies e na pele. Saiba mais sobre as doenças que causam e possível prevenção.

Nem mesmo os nossos corpos conseguem ficar alheios à presença dos fungos e, a título de exemplo, a nossa pele pode conviver diariamente com diversas espécies.

Apesar de normalmente não causarem doenças, alguns podem ser responsáveis por problemas para a saúde humana, resultando em crises de asma, alergias, erupções cutâneas, infeções na pele, unhas, pulmão (alguns tipos de pneumonia), corrente sanguínea e até meningite.

Doenças da pele: 900 milhões a nível mundial!

As doenças da pele são muito comuns. Estão presentes em todas as culturas e idades, com um grande peso para a saúde mundial, estimando-se que quase 900 milhões de pessoas sejam afetadas por elas! E uma estatística mostra que, quando causadas por fungos, essas doenças figuram na quarta posição na lista de prevalência global das 50 sequelas mais frequentes (ano de 2010).

De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), as doenças mais comuns derivadas de fungos são infeções nas unhas (tanto nas mãos como nos pés), micose (que geralmente tem a forma de uma erupção cutânea circular) e candidíase (que pode surgir na boca, garganta, esófago ou vagina).

Uma atenção especial para os pés…

Dermatofitose é o nome dado às doenças de pele causadas por fungos (dermatófitos) que se adaptaram a viver nos tecidos com queratina dos animais, tais como cabelos, unhas e pelos. Nesses tecidos bem como na pele, como um todo, os dermatófitos podem crescer e  causar infeções, que resultam numa variedade de sintomas. As tineas (tinhas) e onicomicoses, popularmente chamadas de micoses, são alguns exemplos comuns de dermatofitoses.

As tineas formam machas vermelhas escamosas com bolhas e crostas e causam, principalmente, comichão. Já as onicomicoses afetam as unhas, sobretudo as unhas dos pés, podendo inclusive alterar a sua forma e coloração, e descolá-las da superfície do dedo.

Os pés geralmente são mais afetados do que as mãos devido ao uso de calçado fechado, que favorece a manutenção de um ambiente quente, escuro e húmido, ideal para o crescimento de fungos. De modo geral, as micoses não apresentam gravidade de sintomas, mas desagradam e geram desconforto, tanto físico como estético.

Das pomadas aos medicamentos para fungos na pele…

De modo geral, as dermatofitoses são tratadas de acordo com a sua gravidade. Para casos localizados, isto é, em que apenas uma parte do corpo apresenta a infeção fúngica, geralmente são utilizados loções, pomadas, sprays ou cremes. Por outro lado, em situações com maior distribuição pelo corpo, em complemento dos medicamentos tópicos também é receitada medicação via oral (sistémica). Mas o tratamento ideal para cada situação, somente um médico poderá prescrever.

Além das doenças causadas por fungos na pele há ainda a dermatite atópica, uma doença de pele crónica, inflamatória, e que causa comichão, na qual fungos e bactérias são um dos fatores de agravamento. Fungos como Staphylococcus aureus, Malassezia e Candida, bem como outros, podem dar origem a reações alérgicas bastante prejudiciais para quem já tem a doença.

Causas e meios de transmissão dos fungos na pele

Boa parte das doenças citadas acima são causadas por fungos que vivem no ambiente, inclusive na nossa pele e dentro do nosso corpo, sem causar problemas de relevo.

Mas, designadamente nos casos da candidíases e das infeções das unhas, as doenças só aparecem quando algo muda no ambiente e permite o crescimento do fungo. A causa tanto pode ser uma alteração do ambiente dentro da vagina, boca, garganta e esófago, que favoreceu o crescimento dos fungos, como uma rachadura na unha ou na pele ao redor, que permitiu a entrada dos microrganismos.

E também se pode “apanhar” uma micose quando se entra em contato com outras pessoas, com o próprio ambiente e superfícies, ou até mesmo de uma outra área do próprio corpo. Pessoas com o sistema imunitário debilitado estão mais propensas a infeções por fungos, especialmente infeções oportunistas. Assim, é sempre importante manter bons cuidados de saúde.

Prevenção é essencial!

Como de forma geral os fungos crescem em locais com elevada humidade, é essencial, na prevenção, evitar andar descalço em lugares públicos, sobretudo com áreas húmidas, a exemplo de casas de banho, banheiros e vestiários em ginásios e zonas de praia ou piscina. Para não ter problemas nas unhas mantenha os pés e mãos limpos e secos, com as unhas curtas e sempre limpas.

Além da humidade, as altas temperaturas típicas do verão também favorecem o desenvolvimento dos fungos no ambiente e, consequentemente, a frequência das doenças com eles relacionadas.

É que além de mostrarmos mais a nossa pele, com vestuário mais leve e calçado mais aberto, a humidade corporal tende a intensificar-se devido à maior sudorese, ou seja, a transpiração em excesso.

Por isso redobre os cuidados nos períodos mais quentes, para evitar expôr-se aos fungos da pele e às doenças que lhes estão associadas.

banner-airfree-ptPowered by Rock Convert