Constipação: Causas e tratamento

Constipação: Causas e tratamento

É comum associarmos a uma gripe, qualquer espirro ou nariz a pingar. Quem é que nunca acreditou ter contraído uma gripe fraca, daquelas desconfortáveis, mesmo que não nos tenha afastado das atividades diárias? Se também já lhe aconteceu, pode ser que se tenha enganado quando disse “estou com gripe!”… Às vezes será “apenas” uma constipação, também chamada de resfriado.

Diferença entre constipação e gripe

À partida, as duas doenças parecem ser a mesma coisa. Mas na verdade as características são bem diferentes para cada situação… a começar pelas suas causas.

A constipação decorre de uma série de vírus (mais de 200), que muitas vezes não têm relação uns com os outros, embora o rinovírus seja o mais comum. Já a gripe é provocada pelo vírus Influenza, que sofre constantes mutações, sendo por isso que a sua vacina é ajustada antes de ser anualmente distribuída.

Como semelhança, os vírus têm o facto de atacarem as mucosas respiratórias. Contudo, na constipação as vias aéreas superiores são mais atingidas (como por exemplo nariz, seios da face, garganta) e de forma mais branda. Já a gripe atinge as vias respiratórias superiores e pode também comprometer as vias aéreas inferiores.

Além dos sintomas do resfriado a gripe pode acarretar infeções mais graves, com febre alta, dores de cabeça e musculares, e cansaço, dificultando as atividades quotidianas. Felizmente, ao longo do ano sofremos muito mais com constipações do que com gripes.

Tempo médio da duração de uma constipação

Os sintomas das constipações (ou resfriados) tendem a ter seu pico entre dois a três dias, iniciando-se normalmente com a coriza (nariz congestionado e/ou a pingar) e dor de garganta, podendo também apresentar-se tosse, espirros, dores de cabeça e no corpo, muco na garganta (gotejamento pós-nasal), olhos lacrimejantes e, raramente, febre.

A recuperação dá-se, em geral, entre sete a dez dias. Mas há casos em que a coriza e a tosse podem persistir até 10 a 14 dias, mesmo com algumas melhoras. Por outro lado, pessoas com condições médicas imunodeprimidas (sistema imunitário comprometido), tais como asmáticos, menores de 5 anos, idosos acima dos 65 anos e grávidas, têm risco de agravamento ou complicações dos resfriados, a exemplo das bronquites e pneumonias.

Tratamento da constipação / resfriado

A melhor forma de tratar as constipações é ingerir bastantes líquidos e repousar ao máximo. Outras medidas que podem auxiliar no alívio de sintomas destes resfriados comuns são gotas ou sprays nasais salinos; mel (só para maiores de 1 ano) ou pastilhas para a tosse (maiores de 4 anos); uso de humidificadores, vaporizadores de névoa fria ou, ainda, respirar o vapor de um duche quente.

Como não há vacina ou medicamento específico, o tratamento visa apenas tratar e aliviar os sintomas, mas isso não afetará o tempo de infeção. Por vezes recorre-se a vários medicamentos que não necessitam de receita médica, mas é fundamental consultar um médico e fazer uso dos que forem prescritos, tanto para crianças como para adultos, e seguir corretamente as indicações da bula.

Prevenção: contactos sociais e superfícies

Tal como alguns vírus, a transmissão acontece quando uma pessoa saudável entra em contacto com o ar ou secreções vindas de uma pessoa infetada. Nesse caso, certas situações como um aperto de mão ou o toque numa maçaneta de porta infetada, levarão a pessoa saudável a contaminar-se com o vírus, transportando-o das mãos até aos olhos, nariz e boca.

Desta forma, as medidas para se evitar um resfriado são semelhantes àquelas que estão tão presentes no nosso dia a dia, com a pandemia de COVID-19.

Assim, adultos ou crianças constipadas devem evitar contacto próximo com outras pessoas, ficando em casa e mantendo uma boa higiene respiratória sempre que se tosse ou espirra, cobrindo o rosto com um lenço ou o cotovelo, e lavando em seguida as mãos.

Outras ações importantes para prevenir a transmissão são a limpeza frequente de objetos e superfícies, principalmente dos mais utilizados, e a adequada higienização das mãos. E nunca é demais referir que para eliminar o vírus que elas possam conter é necessário que sejam lavadas com água e sabão pelo menos durante 20 segundos.

atenção aos diferentes sinais das doença

Importante também é ter atenção aos diferentes sinais das doenças que acometem o trato respiratório, para não confundir gripe, resfriado, rinite e sinusite. Afinal, cada uma tem as suas particularidades que devem ser identificadas para um diagnóstico apropriado, e às quais apenas um médico saberá dar a melhor orientação.

banner-airfree-ptPowered by Rock Convert