Asma e Coronavírus: quais as principais recomendações?
Coronavírus e asma: quais as principais recomendações?

Asma e Coronavírus: quais as principais recomendações?

Saiba qual a relação entre asma e coronavírus e quais os cuidados necessários para evitar complicações respiratórias.

Os impactos da Covid-19 no mundo têm crescido de forma acelerada e, pela rapidez da propagação da doença, muitas perguntas continuam sem resposta.

As investigações continuam, para determinar, através do historial médico das pessoas, quem será mais sensível ao vírus e ao desenvolvimento de sintomas graves. 

Há de facto alguns grupos considerados de risco pois, de forma geral, estão mais vulneráveis a infeções. Segundo o CDC (Centro de Controle de Doenças) dos Estados Unidos, os asmáticos fazem parte dessa população, que precisa redobrar os cuidados para não contrair o SARS-CoV-2.

Doença inflamatória crónica

A asma é uma doença subdiagnosticada e subtratada, que afeta cerca de 700 mil portugueses (6,8% da população total) e aproximadamente 175 mil crianças e adolescentes (8,4% da população mais jovem). Em todo o mundo estima-se que o número de pessoas asmáticas alcance os 235 milhões. 

Considerada uma doença inflamatória crónica, é indicado que seja tratada com recurso a medicamentos preventivos, a exemplo de corticóides, inalatórios, isolados ou associados a broncodilatadores, conforme recomendação dos médicos e órgãos de saúde. 

Manter a asma sob controle

Sabe-se, de há muito, que é perigosa a combinação da asma com outros vírus. Não é por acaso que aos asmáticos se indica que devem fazer, anualmente, a vacina da gripe. 

E é da maior importância manter os sintomas controlados, para limitar os riscos de um ataque inflamatório de asma em caso de infeção viral. Isto significa que pessoas que não seguem um tratamento correto podem ter fortes crises asmáticas se expostas a um vírus forte, como é o caso do SARS-CoV-2. 

Há também quem questione se medicamentos à base de cortisona devem ser evitados. Se considerarmos um indivíduo saudável, sem doenças crónicas, a recomendação é para não realizar esse tipo de tratamento. Contudo, no caso da asma, esta orientação deve ser relativizada. 

Asma e Coronavírus: que perigos?

Em geral, pessoas com asma não correm mais risco de contrair a Covid-19 do que o resto da população, desde que a asma esteja sob controle. No entanto, os asmáticos são mais propensos a desenvolver complicações respiratórias se contrairem o novo coronavírus. 

Alguns estudos em curso sugerem que pacientes com asma têm maior probabilidade de serem hospitalizados quando contraem a infeção. Por isso é imprescindível não interromper o tratamento da asma. A exceção acontece no caso de sintomas como febre, tosse e intensa falta de ar, altura em que é necessário consultar um médico antes de iniciar qualquer tipo de medicação.  

Inaladores e sprays: cuidados a ter

A utilização de um inalador pode aumentar o conforto respiratório e reduzir as probabilidades de uma crise causada por um vírus, incluindo o coronavírus. É importante verificar com o médico todas as instruções e frequência ideal desse uso, para que o efeito preventivo seja atingido. 

Mas atenção: é proibido compartilhar, entre os pacientes, qualquer aparelho, sejam nebulizadores ou espaçadores, por exemplo. O mesmo vale para o spray nasal. Para quem necessita usar um nebulizador, a orientação é que o faça sozinho num quarto, pois estes equipamentos aumentam os riscos de transmissão do vírus.

Uma vez dentro do grupo de risco para a Covid-19, os asmáticos também devem tomar as seguintes precauções:

  • Ter uma reserva de produtos para períodos de 15 a 30 dias; 
  • Manter medidas de distanciamento social, considerando pelo menos a distância de 2 metros entre cada pessoa; 
  • Evitar o contacto com pessoas doentes;
  • Evitar viagens não essenciais;
  • Limpar e desinfetar a casa e carro regularmente, especialmente os itens que são manuseados com frequência, como maçanetas, interruptores, telemóveis, comandos de TV, volantes etc.
  • Ficar em casa o máximo possível. Pessoas do grupo de risco são orientadas a permanecer em completo isolamento social. Em vez de ir ao supermercado ou à farmácia, dê preferência às encomendas com entregas de alimentos e remédios na sua casa. 
  • Depois de usar o spray nasal, limpe a ponta com um lenço de papel e deite-o fora. Depois lave as mãos com água e sabão durante pelo menos 20 segundos. 

Para mais conteúdo exclusivo, ligue-se ao nosso blogue!

Ligue-se ao nosso site aqui

banner-airfree-ptPowered by Rock Convert