A PROPÓSITO DO DIA MUNDIAL DO AMBIENTE…

Na última semana de maio um grupo de especialistas portugueses em clima e alterações climáticas deslocou-se à Noruega, um dos países mais avançados nessa matéria. Objetivo? Conseguir estratégias para enfrentar algumas ameaças ao Ambiente, com que o nosso país se tem vindo a debater…

A visita, de 4 dias, aconteceu no âmbito de um projeto europeu que, em Portugal, se intitula ClimAdaPT.Local. Teve início em Janeiro deste ano e vai prolongar-se até Abril de 2016, com o objetivo de definir 26 estratégias municipais para adaptação às alterações climáticas, conforme nos explicou Rita Silvestre, da Quercus.

Trata-se de um consórcio coordenado pelo CCIAM (Climate Change, Impacts, Adaptation and Modelling) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), e que integra, como parceiros, diversas entidades na sua maioria ligadas aos temas ambientais, a exemplo da Quercus.

Nesta viagem à Noruega participaram membros do consórcio, do CCIAM, da Quercus e da Câmara Municipal de Sintra, e também representantes do IPMA (Instituto Português da Atmosfera) e da Associação Nacional de Municípios.

Durante quatro dias a nossa equipa teve contato com diversas entidades norueguesas, em particular os municípios de Oslo, Drammen e Bærum, universidades, a Agência Norueguesa de Ambiente, o Meteorologisk Institutt (instituto de meteorologia da Noruega) e Organizações Não Governamentais.

Apresentada a situação portuguesa, o encontro permitiu-nos ficar a conhecer os resultados das medidas que estão a ser implementadas naquele país, mais avançado no domínio da adaptação às alterações climáticas, nomeadamente ao nível da elaboração de Estratégias Municipais para essa adaptação.

Na mesa, está a procura de respostas a questões sobre como lidar com a subida do nível do mar, como ultrapassar vulnerabilidades em relação a eventos meteorológicos extremos, ou como encarar as mudanças que as alterações climáticas implicarão na agricultura e nos ecossistemas.

Segundo nos adiantou Rita Silvestre, “cada um dos 26 municípios que integram o projeto contará agora com o trabalho de 2 técnicos, para que até Abril do próximo ano essas 26 Câmaras tenham uma Estratégia Municipal para adaptação às alterações climáticas, a nível local.”

Degradação das arribas / Cheias / Secas / Ondas de calor / Incêndios são alguns dos graves problemas que o país tem visto surgir nos últimos anos.

Segundo a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), “as alterações climáticas têm vindo a ser identificadas como uma das maiores ameaças ambientais, sociais e económicas que o planeta e a humanidade enfrentam na atualidade”.

Para lhes fazer face, este organismo ambiental refere duas linhas de atuação essenciais – mitigação e adaptação – respetivamente como processos que visam reduzir a emissão de GEE para a atmosfera e, por outro lado, minimizar os efeitos negativos dos impactes das alterações climáticas nos sistemas biofísicos e socioeconómicos.

E sendo que, com as alterações climáticas já em curso, nalgum grau os seus impactes são inevitáveis, a APA alerta para uma crescente atenção à adaptação, considerando que em ambas as vertentes é importante que as ações e opções sejam consideradas tanto ao nível dos governantes como local, pela comunidade e por cada indivíduo.

Agradecimentos:

Rita Silvestre – Grupo Energia e Alterações Climáticas da Quercus

Contatos:

http://climadapt-local.pt

www.facebook.com/climadaptlocal

ASSINALAR A DATA, É PRECISO…

Todos os anos as Nações Unidas apresentam um tema, que serve de ponto de partida para o desenvolvimento de ações de celebração da data de 5 de Junho em mais de 100 países, com variadas atividades programadas em função desse tema. O Dia Mundial do Meio Ambiente de 2015 usa o tema dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento com um foco especial na mudança do clima.

Os eventos visam apresentar novas formas e métodos de preservar o futuro da humanidade, seja através de ações individuais do cidadão ou coletivas. Nas escolas esta data assume especial importância, com a chamada de atenção para a preservação do meio ambiente junto das crianças.

 

Esta entrada foi publicada em Asma. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s